Hipócrates, 400 anos a.C., não dizia "a alimentação é o nosso primeiro remédio" ? Desde então tornou-se um objetivo de saúde pública na prevenção da obesidade e de numerosas doenças, uma alimentação saudável é preciosa para o nosso equilíbrio. Uma boa maneira de a garantir: a cronobiologia ou o estudo do comportamento da célula no tempo.

 

O nosso organismo: uma caixa com biorritmos

Disciplina científica completa desde os anos 50, a cronobiologia é o estudo dos ritmos biológicos aos quais o organismo humano é submetido. Sincronizados por fatores ambientais externos, dizem respeito a cada célula do nosso corpo. Assim, cada uma alterna períodos de ação, repouso, reparação e absorção de elementos que lhe proporcionam energia, vitaminas, minerais… O problema desta mecânica bem oleada? A dificuldade que temos em organizar as diferentes vidas: familiar, social, profissional e biológica.

 

Relógio interno e necessidades alimentares

No entanto, esta adequação é indispensável ao nosso equilíbrio em geral e, em particular, ao alimentar. É aqui que a cronobiologia entra em cena: esclarece-nos sobre os hábitos alimentares que devemos preferir em função do nosso relógio interno e do consumo energético das células. Necessidade de carburante, sobretudo de manhã? Colocam-se em modo de “eliminação” das gorduras. À noite, pelo contrário, colocam-se em modo económico e refazem as suas reservas. É a altura para evitar os açúcares rápidos dos quais estão especialmente desejosas! Sonha com o equilíbrio beleza-saúde? Respeite as necessidades das suas células!


"Rica" de manhã, "pobre" à noite

  • De manhã, a célula está em ótimas condições.
  • Prefira elementos energéticos: açúcares e lípidos.
  • Por que não um English breakfast ? Ao pequeno almoço, tudo é possível, sobretudo se o dia se anunciar desportivo.
  • Diminua progressivamente o aporte em glúcidos e lípidos e termine com uma refeição ligeira, à noite, privilegiando alimentos de fraco teor nutritivo: peixe e legumes, por exemplo.